Vida Cristã

O Que é Jejum? O Verdadeiro Jejum

verdadeiro-jejum

Nesse estudo vamos descobri o que é jejum. Veremos o que não é jejum e vamos estudar o seu propósito. O que a Bíblia diz sobre o jejum?

O que é jejum?

O que é Jejum? Dicionário

O jejum na Bíblia implica em total abstinência de toda a comida por certo período.[1] Sua duração variava de algumas horas durante o dia, “jejuaram aquele dia até à tarde”, (Jz 20.26) a até 40 dias, como no caso de Moisés, Elias e Jesus.

Martyn Lloyd-Jones diz que o jejum é “abstinência de alimentos com vistas a propósitos espirituais”, ele continua dizendo, “jejuar é abster-se completamente de alimentos, na busca de certos alvos especiais, como a oração, a meditação ou a busca do Senhor, devido algum razão peculiar, ou sob circunstâncias especiais”.[2]

LEIA TAMBÉM:
O Que é Santidade? O Verdadeiro Significado
Os 3 Hábitos que Jesus Tinha!
Balaão e a Igreja de Hoje

O que não é Jejum?

  • Jejum não é algo mecânico. Exemplo: “Estou de jejum, qual o proposito? Não sei, só estou de jejum”;
  • Jejum não é para beneficio, primário, para o corpo físico. “Estou jejuando porque quero emagrecer”;
  • Jejum não é barganha com Deus. O que é isso? É como se você pegasse sua nota de R$2,00 e colocasse na maquina de refrigerante e quando apertasse o botão saísse o refrigerante. Jamais deveríamos jejuar em busca de resultados diretos e imediatos;
  • Jejum não é sinônimo de santidade! “Quando jejuardes, não vos mostreis contristados como hipócritas, pois desfiguram o rosto para parecer aos homens que jejuam…” (Mt 6.16). Jejuar não deixe ninguém mais santo!;
  • Jejum não é para obter a bençãos materiais de Deus. O que quero dizer com isso? Estou jejuando por Deus vai me abençoar. Então você só está jejuando porque quer alguma coisa de Deus. Não devemos jejuar apenas para obter a benção material!

Qual o verdadeiro propósito do jejum?

As escrituras enfatizam o jejum como importante exercício espiritual. O jejum está presente tanto no AT quanto no NT. Há um apetite por Deus em nossas almas. Deus colocou a eternidade em nosso coração e somente ele pode satisfazer essa nossa eternidade.

Há um apetite por Deus em nossas almas…

John Piper define jejum como fome de Deus. De acordo com Piper, o maior inimigo da fome de Deus não é o veneno mortífero, mas uma torta de maça.

O maior adversário do amor de Deus não são seus inimigos, mas seus dons. O jejum revela o grau de domínio que o alimento tem sobre nós. O jejum cristão é um teste para conhecermos qual é o desejo que nos controla. Richard Foster afirma:

Jejuar é ter fome de Deus…

Mais do que qualquer outra disciplina, o jejum revela as coisas que nos controlam. O jejum é um maravilhoso benefício para o verdadeiro discípulo de que deseja ser transformado na imagem de Jesus Cristo. Muitas vezes, encobrimos o que está dentro de nós como comida e outras coisas”.[3]

Martyn Lloyd-Jones, na mesma linha  de pensamento, ensina que o jejum não pode ser entendido apenas como abstinência de alimento e bebida. Segundo ele, o jejum também deve incluir abstinência de qualquer coisa que é legítima em si mesma, por amor de algum proposito espiritual.

O proposito do jejum não é obter o favor de Deus ou mudar a sua vontade (Is 58.1-12). Tampouco impressionar os outros com uma espiritualidade farisaica (Mt 6.16-18). Nem é para proclamar a nossa espiritualidade diante dos homens.

O Verdadeiro Jejum

Jejum significa amor a Deus. Jejuar para ser admirado pelos homens é ter uma motivação errada para fazê-lo. Jejum é fome pelo próprio Deus, não por aplausos humanos (Lc 18.12). É para nos humilharmos diante de Deus (Dn 10.1-12), para suplicarmos sua ajuda (2Cr 20.3; Ed 4.16) e para voltarmo-nos para Deus com todo o nosso coração (jl 2.12,13).

É para reconhecer a nossa total dependência da proteção divina (Ed 8.21-23). O jejum  é um instrumento para fortalecer-nos com o poder divino, em face dos ataques do inferno (Mc 9.28,29).

Os homens amam os dons de Deus mais do que de Deus. Jejuar não é fome das bênçãos de Deus, mas é fome do próprio Deus.

John Piper diz que o jejum nasce exatamente da saudade de Deus. Devemos comer e jejuar para a glória de Deus (1Co 10.31). O alimento é bom, mas Deus é melhor! “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4.4).

Jesus disse: “Tenho algo para comer que vocês não conhecem” (Jo 4.32). Em Samaria, Jesus satisfez-se não com o pão da terra, mas com o pão do céu. Deus foi o seu alimento. Isto é jejum: intimidade com Deus. A comunhão com Deus deve ser a nossa mais urgente e apetitosa refeição. Assim sintetiza John Piper esta gloriosa realidade:

Quanto mais profundamente você anda com Cristo, mais faminto você se torna dEle… mais saudade você tem do céu… mais deseja a plenitude de Deus em sua vida… mais anseia pela vinda do noivo… mais aspira que igreja seja reavivada e seja revestida com a beleza de Jesus. Mais você anseio por um profundo despertamento de realidade de Deus me nossas cidades… mais deseja ver a luz do evangelho da glória de Cristo penetrar as trevas dos povos ainda não alcançados… mais deseja ver as falsas filosofias do mundo serem vencidas pela verdade… mais deseja ver a dor ser vencida; as lágrimas, enxugadas; a morte, destruída… mais anseia ver as coisas erradas serem feitas corretamente, e a justiça e a graça de Deus encherem a terra como as águas cobrem o mar”.

Nós vivemos em uma geração cujo deus é o estômago (Fp 3.19). O homem tornou-se o centro de todas as coisas. Todas as coisas são feitas e preparadas para o prazer do homem.

No entanto, o homem não é o centro do Universo, Deus o é. Todas as coisas devem ser feitas para a glória de Deus. Deus deve ser a nossa maior satisfação. Tenha fome de Deus, busque mais a presença de Deus e deixe que o Senhor sacie sua alma. Deus vos abençoe.

Pr. Lucas Fernandes

Fontes:
Dicionário Bíblico Wycliffe, CPAD.
A mensagem do sermão do monte, John Stott. ABU.
Celebração da Disciplina, Richard Foster. Ed. Vda.
Pregação Expositiva, Hernandes Dias Lopes. Ed. Hagnos
Estudos no sermão do monte, Martyn Lloyd-Jones. Ed. Fiel

[1] Dicionário Bíblico Wycliffe.
*Grande debilidade ou fraqueza por falta de alimento.
[2] Estudos no Sermão do Monte, Lloyd-Jones.
[3] Celebração da Disciplina, Richard Foster.

Previous ArticleNext Article
Chamado por Deus, salvo por Cristo e cheio do Espírito Santo. Vamos mudar o mundowww o/